25 de fevereiro de 2012

Marilan não será mais vendida




A fabricante de biscoitos Marilan, de Marília (SP), não vai ser mais vendida. O presidente da companhia, José Rubis Garla, distribuiu um comunicado no fim da tarde de hoje aos funcionários, informando sobre a desistência do negócio.

De acordo com o comunicado, a família Garla procurava parceiros no mercado para uma fusão ou uma venda. Mas, diante das propostas apresentadas, a empresa permanece sob a gestão dos Garla. A família pedia entre R$ 600 milhões e R$ 800 milhões pelo negócio.

Quatro empresas se interessaram pelos ativos: as multinacionais PepsiCo, Bunge e Campbell e a brasileira M. Dias Branco. Essa última, líder do mercado de massas e biscoitos no país, ofereceu R$ 495 milhões pela companhia, oferta que foi prontamente rejeitada.

As quatro concorrentes realizaram “due diligence” na Marilan em novembro. A PepsiCo foi a que mais se dedicou a estudar os ativos, mas a Bunge foi a que mais chegou perto do que estava sendo pretendido pelos Garla.

“Agora a empresa fica em uma situação delicada, porque alguns dos seus principais concorrentes, como a M. Dias Branco [dona da Adria] e a PepsiCo [que comprou a Mabel] conhecem detalhes do seu negócio”, diz uma fonte. A Marilan é a quarta maior fabricante de biscoitos do país, depois de M. Dias Branco, Kraft e Nestlé. Em 2010, a empresa registrou vendas líquidas de R$ 380,9 milhões, com prejuízo de R$ 12,8 milhões. Os números de 2011 ainda não foram divulgados, mas estima-se que o prejuízo da fabricante deve aumentar para R$ 16 milhões no exercício.

Segundo informado em reportagem de 9 de fevereiro, a família Garla buscava um plano B para a Marilan. Se não conseguisse pelo menos R$ 600 milhões pelo negócio, os Garla iriam renegociar as dívidas, que estão entre R$ 80 milhões e R$ 90 milhões, além de levantar capital de giro para continuar tocando os projetos.

Fonte: Valor Econômico
Reações:

0 Participações: