29 de fevereiro de 2012

Google+ será um elefante branco?




Dados divulgados nesta semana pela comScore indicam que os mais de 90 milhões de inscritos no Google+ quase não usam a rede social. Segundo a empresa, o tempo médio de permanência dos usuários, de setembro a janeiro, foi 3 minutos por mês, contra 7 horas por mês no Facebook. Esses números levaram o Wall Street Journal a chamar o Google+ de “cidade fantasma das redes sociais”.

Aberto em junho do ano passado, o Google+ angariou usuários mais rapidamente que qualquer outra rede social na história. O número mais recente divulgado pelo Google indica que eles já passam de 90 milhões. O Facebook levou anos para atingir essa marca. Se o ritmo atual de novas inscrições se mantiver, a rede social pode chegar a 400 milhões de usuários neste ano, o que seria um feito notável.

Mas os números da comScore contam outra história. Amplamente divulgado por meio dos vários serviços do Google na web, o Google+ certamente atrai as pessoas. Mas elas não veem motivos para adotá-lo em lugar do Facebook. Na maioria dos casos, feita a  inscrição, o perfil fica abandonado, sem atividade significativa. Esse cenário de cidade fantasma é péssimo, é claro, para qualquer tipo de negócio na rede.

Um dado que parece confirmar essa avaliação negativa do Google+ é o fato de a rede social quase não mandar visitantes para outros sites da web, produzindo o chamado tráfego de referência. O site NetMarketShare, que mantém estatísticas desse tráfego, aponta que a rede social campeã nesse quesito é, de longe, o Facebook.


Fonte: Exame
Reações:

0 Participações: