11 de setembro de 2010

Matando os leõezinhos

Por Gilberto Strunck*

Um destes documentários sobre vida animal que assisti na TV me deixou uma impressão muito forte. Aprendi nele que a primeira coisa que um jovem leão macho faz, depois de enfrentar e vencer um leão mais velho na disputa por um grupo de fêmeas, é matar todos os filhotes do adversário. Com isso, ele elimina a antiga linhagem e garante a futura descendência, o seu DNA. As imagens do enorme leão trucidando os leõezinhos foram cruéis e marcantes, um comportamento literalmente animal.

Mas, se observarmos a nossa sociedade sob este ponto de vista, agimos, muitas vezes, da mesma forma. Recordem a quantidade de obras públicas inacabadas. Quantos políticos com cargos executivos optam por iniciar novos projetos ao invés de finalizar os iniciados por seus antecessores?

No nosso dia a dia, trabalhando com as estruturas de marketing, observamos exatamente o mesmo tipo de comportamento. A primeira providência de um novo diretor ou gerente é rever todos os projetos em andamento e, muitas vezes, descartá-los ou redirecioná-los, e planejar novas ações que terão agora o "seu DNA".

Se você atende a clientes, já deve ter vivenciado a situação na qual um projeto, que vinha sendo tocado na maior urgência, é interrompido, ou passa por uma mudança radical de briefing, porque um novo profissional assume o comando.

Se, por outro lado, você é a pessoa que passa a tocar projetos em andamento, pense na quantidade de vezes que já os redirecionou em maior ou menor velocidade, sempre com razões muito racionais para fazê-lo, é claro! Mas, na prática, "matando os leõezinhos" do seu antecessor.

Assim, aprenda a encarar com naturalidade estas mudanças, muitas vezes tão frustrantes, que resultam em alterações de prazos, de orçamentos e de prioridades. Veja o lado positivo destes processos, pois uma das peças descartadas poderia ser você!


* Gilberto Strunck, é Sócio-Diretor da DIA Comunicação. Autor de
vários livros sobre design, é Professor da UFRJ, Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Conselheiro do POPAI Brasil e membro
do Bord Internacional desta entidade.
Reações:

0 Participações: