29 de junho de 2012

Quem manda no varejo Brasileiro




O varejo alimentar brasileiro não é dos franceses ou dos americanos. Pelo menos, de cinco anos pra cá, as redes de capital nacional nesse segmento - com 38 mil lojas e R$ 224,3 bilhões em faturamento no país - respondem pela maior parte das vendas locais e cresce a taxas superiores a dos varejistas estrangeiros.

De cada R$ 100 gastos em supermercados no Brasil, as redes estrangeiras Carrefour, Walmart e Cencosud embolsaram R$ 26 em 2011. Com os franceses do Casino no controle da holding do Grupo Pão de Açúcar, a fatia dos estrangeiros cresce para R$ 38,7.

Com base em relatório preparado pela Nielsen para a associação do setor (Abras), conclui-se que mais de 60% das vendas de supermercados no país continuam nas mãos de empresas de capital 100% nacional - nesse grupo estão redes com até R$ 3 bilhões em receita anual. E também estão mercadinhos, com lojas de até 3 caixas, vendas de R$ 2,2 milhões ao ano e localizados nas periferias das cidades. Eles cresceram rapidamente - e num período de maior pressão do Fisco para a redução da informalidade - com a recente expansão das classes C e D.

Números mostram ainda que nos últimos cinco anos a expansão das multinacionais empacou no país, apesar da visível agressividade dos chilenos da Cencosud, em ritmo acelerado de compras.

Em 2011, a parcela dos estrangeiros nas vendas (38,7%) foi a menor registrada desde 2006, quando atingiu 34%, com base em dados da Abras. É algo verificável também em outras partes do mundo: líderes estrangeiros não têm mais de metade das vendas em diferentes mercados - maduros ou emergentes. O Walmart, líder disparado e com força inquestionável no México, tem 41% desse mercado.

"Características geográficas de Brasil e Estados Unidos facilitam a regionalização dos mercados", diz João Carlos de Oliveira, presidente da Associação Latino-Americana de Supermercados. "Basta ir para Porto Alegre ou para Alagoas para entender melhor o que acontece" (ver reportagem abaixo).

Em relação ao quadro verificado na última meia década, de expansão mais discreta dos estrangeiros, analistas entendem que Walmart e Carrefour têm peso fundamental nessa conta.

A participação de Walmart e Carrefour nas vendas totais do setor cai porque os dois têm crescido menos que a média do setor - o setor de supermercados cresceu 11% em 2011; o Walmart, 5%; e o Carrefour, 9%. Em processos de reestruturação no país há pelos menos dois anos, as duas redes falam frequentemente que "estão atentas a novas compras" mas não anunciam novas aquisições há anos - as últimas foram em meados dos anos 2000.

Números da Nielsen, informados pela Abras, mostram que as 280 maiores redes do Brasil (excluídas as grandes cadeias) apuraram expansão de 17,1% em 2011, após alta de 33,6% em 2010. Os 20 maiores grupos (incluindo as multinacionais) cresceram 13,2%, perdendo fôlego em relação aos de 20,8% de 2010.

É fato que numa análise de mais longo prazo, na última década (de 2001 a 2011), os grupos estrangeiros mais que dobraram a sua fatia no bolo de vendas: passou de cerca de 18% (com Carrefour, Sonae e Walmart) em 2001 para 38,7% no ano passado - incluindo nessa conta a parcela do Casino como controlador do GPA.

O número de lojas com as suas marcas também deu um salto importante no país - o que explica a sensação, em algumas cidades, de se estar cercado só de lojas dos grandes grupos. Em dez anos (até 2011) essa soma pulou de 194 pontos para 3.485 lojas (de 0,2% do total de pontos para 6,1%). Esse aumento é mais perceptível na região Sudeste, onde os estrangeiros iniciaram a expansão no país.

"A construção dessas grandes marcas internacionais no país aconteceu ao longo dos últimos 15 anos, num movimento que levou à consolidação do varejo de supermercados", diz Reynaldo Saad, sócio-líder no atendimento às empresas do setor varejista da Deloitte.

Segundo Marcos Gouvêa de Souza, diretor-geral da consultoria GS&MD Gouvêa de Souza, a necessidade de as redes europeias buscarem novos mercados nos anos 70 e 80, depois que governos locais passaram a adotar medidas regulatórias de proteção ao pequeno varejo, fez com que o Brasil se tornasse praça interessante para investimentos. Após esse período, nos anos 90, com a estabilidade econômica, a ineficiência na gestão de grupos familiares tornou-se mais evidente com o fim do ganho financeiro fácil, em tempos de inflação recorde.

Quem não se ajustou, quebrou ou vendeu o negócio, ampliando a concentração de mercado. O Pão de Açúcar abriu a corrida aos ativos no final dos anos 90. Falta de acesso a capital barato (para manter escala) também atrapalhava os planos de redes locais que tentavam resistir a pressão dos grandes compradores. Dificuldades de sucessão em empresas familiares ajudaram a abrir brechas para que Carrefour e Pão de Açúcar adquirissem novos negócios.

Foi assim até a segunda metade dos anos 2000. "Quem queria comprar, veio para o Brasil. Outros países da América do Sul não eram prioridade de investimento e aí, nesses locais, varejistas regionais conseguiram crescer, como o Cencosud, no Chile", conta Gouvêa.

Outras medidas continuaram a abrir espaço para a consolidação do setor, em especial nos últimos três ou quatro anos. As iniciativas do Fisco (por meio da nota fiscal eletrônica) para a redução da informalidade no país entram nessa conta. "A informalidade era barreira de entrada natural", diz Gouvea.

Fonte: Valor Economico
Reações:

0 Participações: