4 de março de 2012

B2W diz estar "preparada para voltar a crescer em 2012"





O comando da B2W, empresa que reúne a operação de sites como Americanas.com, Submarino e Shoptime, apresentou ao mercado, no começo da tarde de hoje, os ruins resultados do grupo no quarto trimestre de 2011. A empresa buscou manter um tom otimista na teleconferência com analistas. Falou em "página virada" e em estar "preparada para voltar a crescer em 2012". Os analistas, no entanto, levantaram questionamentos a respeito da capacidade de reação da empresa para que isso aconteça.

As dúvidas surgiram em relação a indicadores que baseiam a expectativa positiva da companhia para este ano. Uma das questões salientadas pelos especialistas foi a existência de capital de giro para esse crescimento _ algo fundamental para manter política comercial agressiva e a competitividade de preços em relação aos concorrentes. Questionada, a empresa disse que "está trabalhando para o equilíbrio entre melhora de capital de giro e margem", afirmou François Pierre Bloquiau, diretor de relações com investidores (RI) da B2W. “Acreditamos que em 2012 conseguiremos melhorar esse equilíbrio entre margem, vendas e custos”.

Essa questão foi levantada por conta da necessidade de maior capital de giro em novos braços de negócios do grupo_ em dezembro de 2011, por exemplo, foi lançada a operação de viagens na Argentina por meio da marca Submarino Viajes. "Nós temos planos para ampliar a operação de outros negócios, mas isso não vai exigir da empresa um novo aumento de capital como o feito em 2011", disse Bloquiau.

"Nós queremos voltar a crescer e sermos mais competitivos", disse ele. "Viramos a página para alguns grandes problemas da empresa. Mas continuamos cautelosos e trabalhando porque não queremos voltar a passar pelo que passamos no ano passado".

Em 2011, já em decorrência de problemas operacionais sentidos em 2010, a companhia cresceu pouco e perdeu participação de mercado para concorrentes. Ela foi alvo de críticas de consumidores em relação ao serviço oferecido por alguns sites do grupo. No ano passado, nesse cenário, a empresa decidiu investir recursos em uma reestruturação- o que pressionou despesas - para tentar melhorar a infraestrutura do negócio.

Sobre a questão, a empresa informa em seu relatório de resultados que “ao longo do ano, medidas conservadoras de prazos de entrega destinadas a melhorar nosso serviço ao cliente limitaram nosso crescimento”, e continua: “Conjuntamente, uma política de preço e de frete mais agressiva prejudicou a nossa rentabilidade. Nesta perspectiva, o ano 2011 foi um período de transição onde muitos problemas foram endereçados e corrigidos, mas onde os resultados ficaram muito aquém das nossas expectativas”.

Sobre indicadores que mostrariam melhoras em sua operação já neste ano, a companhia diz que "tem sentido mudanças" e um dos indicadores é uma "taxa de conversão interessante", mas não dá mais detalhes a respeito do assunto.

Em 2011, a receita líquida consolidada da B2W atingiu R$ 4.232,1 milhões contra R$ 4.073,6 milhões em 2010, representando um crescimento de 3,9%. No ano passado, o Ebitda consolidado atingiu R$ 415,4 milhões contra os R$ 547 milhões registrados no ano anterior, queda de 24%. No quarto trimestre de 2011, a companhia obteve prejuízo de R$ 28,8 milhões, ampliando o resultado negativo de R$ 14,2 milhões visto no mesmo período do ano anterior. A receita líquida no período cresceu 2%, para R$ 1,17 bilhão. O Ebtida recuou 47,5%, para R$ 101,7 milhões.

Fonte: Valor Econômico
Créditos pela foto: Exame
Reações:

0 Participações: