2 de março de 2010

Carrefour preve lojas em todos os estados brasileiros até 2011

Norte e Nordeste são a última fronteira para o grupo francês, que deve investir R$ 2,5 bilhões em sua expansão

O Carrefour quer quebrar o estigma das grandes varejistas e fincar bandeira emtodo o território nacional. Até hoje, nenhum dos grandes concorrentes do setor conseguiu isso. Atualmente, o grupo francês está em 19 estados, e deve investir R$ 2,5 bilhões para chegar às 27 unidades da federação até 2011. A ideia é formar uma rede com 750 pontos de venda. Hoje, são 598 lojas, além de 313 unidades de serviços, como postos de gasolina e drogarias. Para 2010, a empresa prevê a abertura de 70 lojas.

O foco serão unidades próprias no Norte e Nordeste, afirmaJean-Marc Pueyo, diretorsuperintendente do grupo no país. “Aquisição não é o objetivo da empresa no momento, mas sabemos que o Brasil tem uma concentração pequena do varejo em outros estados, onde temos potencial para crescer”, diz. O primeiro passo para isto foi reformulação do centro de distribuição de Manaus, por R$ 27 milhões, em comemoração aos dez anos de atuação da empresa no estado e também para dar suporte ao portal de ecommerce, lançado ontem.

Paralelamente aos investimentos para expansão, a empresa está fazendo o reposicionamento de sua marca institucional. O Grupo Carrefour Brasil, pela primeira vez em 35 anos, adota posicionamento conjunto de mídia para anunciar os serviços e produtos de suas três bandeiras, Carrefour, Atacadão e Dia%. A primeira peça publicitária entrou no ar no domingo passado. Criada pela F/Nazca, o anúncio fala sobre os diversos serviços da empresa.

O momento é propício para as ações de marketing da empresa já que o concorrente Grupo Pão de Açúcar ficará ao menos um ano sem poder fazer grandes ações institucionais por conta da fusão do Ponto Frio com a Casas Bahia, que ainda precisa ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

As ações ainda vão ajudar em outra causa da empresa, a de recuperar a imagem após a onda de especulações sobre uma possível venda da operação brasileira, considerada superavitária, para sanar problemas financeiros damatriz. Pueyo não confirma a estratégia, dizendo apenas que os planos do reposicionamento da imagem estavam em curso. O Carrefour vem mexendo em sua marca no país desde 2004, quando contratou a apresentadora Ana Maria Braga como garota-propaganda.

Outra área de negócios que também ganha a atenção da empresa é a imobiliária. O Carrefour faz parcerias comempresas como Gafisa e Rossi, para criar um banco de terrenos e valorizar seus ativos. “Buscamos otimizar nossos prédios com diversos serviços”, diz Pueyo. A rede aposta em cinemas e laboratórios para transformar galerias de vendas em espaços lucrativos de negócios.

Modelo para exportação

Jean-Marc Pueyo destacou que a empresa não vai fortalecer só a presença no Brasil. Dentro de cinco dias, Bogotá, na Colômbia, vai ganhar seu primeiro Atacadão, modelo de negócio que mistura varejo com atacado, de olho principalmente em pequenos comerciantes. “Ainda no primeiro semestre, abriremos também na Argentina”, afirma. O executivo diz que não pode falar em nome da matriz sobre o destino das operações vizinhas, mas garante que investimentos estão sendo feitos neste mercado

Fonte: Brasil Econômico
Reações:

0 Participações: