7 de outubro de 2009

Wickbold usa Anvisa para lançar pão funcional

O aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será o diferencial da Wickbold para o lançamento da linha de pães funcionais Estarbem. A empresa - a segunda colocada no mercado de pães industrializados, depois da Bimbo (dona das marcas Plus Vita, Pullman e Nutrella) - investiu R$ 1,5 milhão no desenvolvimento e na apresentação dos produtos, que terão o nome da agência no verso da embalagem. A Anvisa não concede selos para atestar a qualidade de alimentos, mas sua aprovação é necessária para que um produto seja considerado funcional. Para isso, a fabricante deve entrar com pedido de registro no órgão e enviar documentação científica e informações técnicas.

No caso dos pães da Wickbold, o apelo está no fato de que duas fatias suprem em até 28% a necessidade diária de fibras, o que contribuiria para o "equilíbrio da flora intestinal". Com isso, a empresa tenta ganhar espaço no concorrido mercado de pães industrializados, que movimentou R$ 1,75 bilhão em 2008, segundo a Nielsen, e vem observando a migração do consumo do pão branco para os especiais. Resta saber se, para o público, acostumado a expressões como "enriquecido com fibras", o nome da Anvisa, que vai estar nos anúncios de revistas e será repetido por promotores nas lojas, pesará na hora da compra.

"Somos os primeiros a obter o registro da Anvisa na categoria de pães e vamos trabalhar para que o consumidor se conscientize de que nossos produtos oferecem algo mais", afirma Telma Wickbold, diretora administrativa e financeira e neta do fundador, Henrique Wickbold, imigrante alemão que criou a empresa em 1938. Segundo Telma, a fabricante já tem outros pedidos em análise na Anvisa para registro como "alimentos com alegações de propriedade funcional ou de saúde".

A empresa, dona de quatro fábricas - uma em Hortolândia (SP), duas na capital paulista e uma no Rio -, está aumentando a capacidade da planta no interior paulista, inaugurada ano passado, para atender a demanda. Segundo a Nielsen, no acumulado de janeiro a agosto deste ano, a categoria de pães industrializados cresceu 9,2% em volume e 13,7% em valor, já descontada a inflação. A alta em valor é puxada pelos pães especiais, que custam cerca de 70% mais que os brancos (em torno de R$ 3,80). Os funcionais da Wickbold vão custar ainda mais (preço sugerido de R$ 5,50).

Para fabricar os funcionais, a empresa importou o principal ingrediente, a inulina, da Noruega. A aposta da Wickbold é que os novos produtos representem, até o fim de 2010, 10% da receita total, não revelada. A fabricante quer aumentar a linha de produtos para além dos pães e torradas. Este ano, já lançou uma massa de pizza integral, cuja produção é terceirizada. "Estamos analisando novas categorias para investir", afirma a gerente de marketing da fabricante, Sandra Sernaglia.

A Anvisa confirma o aumento do interesse pelos funcionais. Desde 1998, foram concedidos mais de 400 registros. A Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia) ainda não sabe quanto os funcionais movimentam no Brasil, onde o iogurte Activia, da Danone, é um dos mais bem-sucedidos exemplos. Mas, segundo a consultoria PricewaterhouseCoopers, citada pela revista "The Economist", o mercado de alimentos funcionais no mundo deve chegar a US$ 128 bilhões em 2013. Em 2007, estava em US$ 78 bilhões.

Fonte: Valor Econômico
Reações:

0 Participações: